sexta-feira, setembro 22, 2006

ANGOLA EM (IN)MOVIMENTO 1

Nas últimas três semanas voltamos a percorrer o país por terra para usar as "novas" estradas, obra dos chineses. Desta feita, partimos de Luanda em direcção a Ndalatando, província do Kwanza Norte. As imagens do programa "Angola em Movimento" dão-nos a ver as boas estradas que estão a ser reabilitadas e construídas pelos chineses e pela Becom (Brigada de Construção Civil da Casa Militar, cujo chefe é também o responsável da Gabinete de Reconstrução Nacioanl). Animados por aquelas imagens, é difícil resistir à tentação de viajar por terra e ter a oportunidade de rever o morro do mbinda.
Para nossa alegria, logo que se começa a deixar o trânsito caótico de Luanda, a presença de chineses é bem visível na quantidade de "estaleiros" com indicações em chinês, de camiões basculantes a ser guiados por chineses e ... de muita poeira al longo das estradas... Tudo isso indica-nos que há algum trabalho a ser feito nessa via. Depois, deparámo-nos com boas estradas, onde é possível viajar a velocidade de 120km/h e para os mais corajosos a 160km/h. O grande risco é cruzar com um camião conduzido por um chinês, já que eles têm fama de ser maus condutores.
Embalados por esses pedaços de estrada, o viajante impaciente e entusiasmado é capaz de começar a fazer as contas do tempo que se leva até chegar a Ndalatando. Mas desengane-se porque ao sair do Nzenza do Itombe entra-se por desvio de terra batida que leva mais ou menos três ou quatro horas a ser percorrido, a uma velocidade que vai desde os 20km/h a 60km/h. Tudo isso é possível porque São Pedro fechou as torneiras. Mas se por um azar ele decide regar os campos adeus picada e conforto e bem vindo o calvário do Mbinda.
Quem tem o azar de sair de Ndalatando pelo Mbinda leva 3 a 5 horas para chegar ao Dondo. O curioso das partes de estrada asfaltadas é deparar-se com pedaços por asfaltar. Quando se tem a sorte de dar boleia a um habitante local ou agente da ordem pública e pergunta-se-lhe sobre aqueles pedaços por asfaltar ou pela ausência de trabalhos nalguns lugares, a resposta pronta é desconcertante: "esse pedaço é da responsabilidade da Becom. Os trabalhos pararam antes de começar porque a máquina avariou pelo caminho. Estão a espera da peça para fazer trabalhar a máquina". Ao perguntarmos quem o responsável da Becom. A resposta sai com dificuldade: O chefe da casa civil, o mesmo que coordena o gabinete de reconstrução nacional que controla até os chineses".
O curioso é saber que as obras de reconstrução das estradas avançam a bom ritmo. Mas quem quer ver e observar a qualidade do asfalto que está a ser colocado pergunta-se: isto é para durar quantos dias? Faço fé que aquilo que os meus viram seja apenas uma primeira camada de alcatrão, porque se for a definitiva, é caso para dizer: onde não funciona a fiscalização das obras que se fazem até a eficiência chinesa gera inificiência e delapida o erário público.
Até lá que alguém nos ajude e que Angola continue em movimento!!!!

Upindi Pacatolo

2 comentários:

Angelo de los Angeles disse...

Greetings from Canada :)

Mankakoso disse...

Komé, man Pakas????
Tás sem net na nguimbi ou kiê???
Passa na minha kintar. Vamu si dár de uns baldes de kapuka katé fikarmos bem pelenguenhados!!!
Já tamos a entrar no fim de semana.
Tens boda?
Fui.